domingo, setembro 26, 2010

Delermando e a riqueza literária de Goiás

“A Casa Cheia de Vazios” não só confirma o talento de Delermando Vieira, como também explicita uma espécie de diálogo ético, estético e etário com várias gerações de poetas

RO­NAL­DO CA­GI­A­NO - Es­pe­ci­al pa­ra o Jor­nal Op­ção

Ca­da no­vo li­vro de De­ler­man­do Vi­ei­ra vem acom­pa­nhan­do de um so­pro mís­ti­co e de um mer­gu­lho exis­ten­ci­al, ca­rac­te­rís­ti­cas pe­cu­li­a­res des­se au­tor que se di­fe­ren­cia da atu­al sa­fra de es­cri­to­res por uma dic­ção au­tên­ti­ca num mo­men­to cru­ci­al em que a li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra pa­de­ce do ví­cio da ob­vi­e­da­de, con­ta­mi­na­da pe­la re­ci­cla­gem de ve­lhas ten­dên­cias.

“A Ca­sa Cheia de Va­zi­os” (Ed. UCG, Sé­rie Ver­so, 2010) pro­vo­ca no lei­tor um alen­to es­té­ti­co acom­pa­nhan­do de um es­tra­nha­men­to, que nas­ce da pro­fun­da re­la­ção do au­tor com a tran­scen­dên­cia e o oní­ri­co. Ora per­me­a­do de re­quin­tes gó­ti­cos ou bar­ro­cos, ora mer­gu­lha­do ca­ver­nas in­tan­gí­veis da al­ma — al­go que nos re­me­te so­li­dões an­ces­tra­is da pró­pria ida­de da Ter­ra — os no­vos po­e­mas de De­ler­man­do pe­ne­tram as fres­tas ín­ti­mas pa­ra uma ten­ta­ti­va de com­pre­en­são, mas tam­bém de apa­zi­gua­men­to de nos­sos em­ba­tes psi­co­ló­gi­cos e nos­sas in­qui­e­ta­ções me­ta­fí­si­cas.

A his­tó­ria de si­lên­cios e va­zi­os, que in­co­mo­da o ho­mem e é res­pon­sá­vel por er­guer-lhe abis­mos in­tran­spo­ní­veis, ins­tau­rou a an­gús­tia que tan­to o exi­la ou apar­ta, sen­ten­ci­an­do-o a vi­ver um per­ma­nen­te es­tá­gio de di­le­mas pes­so­ais, se­jam éti­cos, quan­to afe­ti­vos e fi­lo­só­fi­cos. É so­bre o des­mon­te des­se ca­os he­re­di­tá­rio e abis­sal, que vem pon­tu­an­do as re(l)ações na pós-mo­der­ni­da­de, que De­ler­man­do ten­ta exor­ci­zar. E na me­di­da em que uti­li­za a pa­la­vra co­mo ins­tru­men­to ci­rúr­gi­co, e de do­lo­ro­sa ca­tar­se, “re­gur­gi­ta sua so­li­dão” pa­ra com­pre­en­der as som­bras e sus­tos da tra­je­tó­ria pes­so­al e co­le­ti­va.

Es­se tra­ba­lho ra­ti­fi­ca que “o si­lên­cio ain­da é a mais vas­ta fa­la”, por­que no con­cen­tra­do va­zio das pa­la­vras es­tá to­da a po­tên­cia sen­so­rial do ar­tis­ta. É no vá­cuo do que não foi di­to, que há ver­da­dei­ra­men­te a car­ga de pos­si­bi­li­da­des pa­ra in­ter­di­ção da me­lan­co­lia, co­mo se nu­ma se­quên­cia de pa­limp­ses­tos, o po­e­ta fos­se ex­plo­ran­do e des­ca­man­do os im­bró­gli­os in­te­rio­res e des­ve­lan­do a fa­ce ocul­ta dos mis­té­ri­os e se­gre­dos hu­ma­nos, es­miu­çan­do o in­con­sci­en­te co­le­ti­vo. Uma po­e­sia apri­o­ris­ti­ca­men­te vis­ce­ral, es­fin­ge a de­sa­fi­ar o lei­tor pa­ra o (re)co­nhe­ci­men­to da­qui­lo que é es­sen­cial e hu­ma­no.

A ma­té­ria-pri­ma da es­cri­tu­ra de­ler­man­di­a­na é sua pre­o­cu­pa­ção com o des­ti­no do ho­mem nes­se mun­do de su­per­fi­ci­a­li­da­de e ro­tu­la­ções e com o lu­gar da ar­te, prin­ci­pal­men­te da li­te­ra­tu­ra, quan­do a glo­ba­li­za­ção e os fe­ti­ches do deus mer­ca­do são an­tí­po­das do pen­sa­men­to e da emo­ção. E nes­se trân­si­to, per­ce­be-se um (in)ten­so di­á­lo­go não só com a re­a­li­da­de ex­te­ri­or (so­ci­al, ge­o­grá­fi­ca, po­lí­ti­ca e mo­ral) co­mo tam­bém uma in­ves­ti­ga­ção do su­prarre­al, do in­vi­sí­vel, do que es­tá en­co­ber­to ou sub­ja­cen­te em nos­sas fan­ta­si­as, do que emer­ge das ver­ti­gens pes­so­ais, do que so­bre­vi­ve de nos­sa mar­gi­na­li­da­de psí­qui­ca, num ver­ti­gi­no­so in­ven­tá­rio da­que­les ter­ri­tó­rios es­cu­ros dos con­fli­tos e de­sen­con­tros/de­sen­can­tos que tan­to nos ator­men­tam. De­ler­man­do não dou­ra a pí­lu­la: vai fun­do, faz uma pon­te di­a­lé­ti­ca en­tre Eros e Tha­na­tos, atra­ves­sa o Le­tes, bus­ca al­can­çar a ter­cei­ra mar­gem do rio-exis­tên­cia, vai além do Bo­ja­dor, tran­spõe o Ru­bi­cão, ain­da que no per­cur­so de su­as idei­as, an­de nu­ma afi­a­da lâ­mi­na que nos dis­se­ca e de­sa­fia.

“A Ca­sa Cheia de Va­zi­os” não só con­fir­ma o ta­len­to de De­ler­man­do Vi­ei­ra, co­mo tam­bém ex­pli­ci­ta uma es­pé­cie de di­á­lo­go éti­co, es­té­ti­co e etá­rio com vá­ri­as ge­ra­ções de po­e­tas, além de uma ní­ti­da apre­en­são do uni­ver­so cri­a­ti­vo de gran­des mes­tres. De­ler­man­do be­beu nas gran­des fon­tes po­é­ti­cas e fic­cio­nais, por is­so é re­cor­ren­te na sua obra uma for­te ex­pres­são do in­son­dá­vel, na li­nha do já es­cre­ve­ram um Ro­ald Dahl, um San Ju­an de La Cruz, um Rim­baud ou um Ho­ra­cio Qui­ro­ga. A es­cri­tu­ra de­ler­man­di­a­na con­so­li­da uma pro­pos­ta li­te­rá­ria que ca­mi­nha sem­pre em bus­ca de uma ver­da­de in­te­ri­or, mui­tas ve­zes re­tar­da­da pe­la ce­guei­ra des­sa épo­ca uti­li­ta­ris­ta, que va­ci­la en­tre a emer­gên­cia do “ter” e a ne­ces­si­da­de do “ser”. Mais que is­so, es­se li­vro re­ve­la a au­to­no­mia e a pu­jan­ça da pro­du­ção li­te­rá­ria de Go­i­ás, um es­ta­do que tem pre­mi­a­do o lei­tor com au­to­res e obras de ele­va­do qui­la­te, na­da de­ven­do ao ei­xo he­ge­mô­ni­co e mo­no­po­lis­ta do Rio-São Pau­lo. De Hu­go de Car­va­lho Ra­mos a Ber­nar­do Elis; de Jo­sé J. Vei­ga a Ala­or Bar­bo­sa; de Co­ra Co­ra­li­na a Gil­ber­to Men­don­ça Tel­les; de Ur­su­li­no Le­ão a Jo­sé Go­doy Gar­cia; de Mi­guel Jor­ge a Sa­lo­mão Sou­sa; de Afon­so Fé­lix de Sou­sa a Edi­val Lou­ren­ço; a li­te­ra­tu­ra go­i­a­na se uni­ver­sa­li­za na obra de di­ver­sas ge­ra­ções que pon­ti­fi­cam no es­ta­do de fo­ra de­le, co­mo Ga­bri­el Nas­cen­te, Bra­si­gó­is Fe­lí­cio, He­le­no Go­doy, Val­di­vi­no Braz, An­to­nio Jo­sé de Mou­ra, Ma­ria Jo­sé Sil­vei­ra, Au­gus­ta Fa­ro, Gui­do He­le­no, Ubi­ra­ja­ra Gal­li, Wil­li­am Agel de Mel­lo, Flá­vio Car­nei­ro, Gil Pe­ri­ni, Flá­vio Pa­ra­nhos e tan­tos ou­tros.

RO­NAL­DO CA­GI­A­NO é es­cri­tor e crí­ti­co li­te­rá­rio.

2 comentários:

Edson izidio disse...

A poesia Delermandiana é como flauteio, pois soa troçando o assombro da escuridão na inconsútil procura de dosobstruir a luz subliminar que, sem dúvida,é seu ensejo maior.

Edson Izídio

Edson izidio disse...

A poesia Delermandiana é como flauteio, pois soa troçando o assombro da escuridão na inconsútil procura de dosobstruir a luz subliminar que, sem dúvida,é seu ensejo maior.

Edson Izídio